Bilhetagem Eletrônica

Imagem Equipamento de bilhetagem eletrônica

Para quem acha que bilhetagem eletrônica é um assunto recente vai se surpreender. É que tudo começou exatamente em março de 1999. À princípio, utilizavam o Sistema Automático de Bilhetagem Eletrônica, o SABE, 17 mil rodoviários do sistema – motoristas, cobradores fiscais e despachantes. Ainda em dezembro daquele ano e maio de 2000, os estudantes foram incorporados ao SABE, com a implantação do Passe Fácil.

Mas foi em 26 de março de 2002, que o SABE foi instituído por meio da Resolução nº 002/98 do Conselho Metropolitano de Transportes Urbanos e teve seu regulamento aprovado através da Portaria 247. Sendo reeditada em 26 de março de 2003.

O objetivo principal do SABE é melhorar o controle operacional do serviço de transporte, possibilitando a obtenção mais rápida e segura das informações do sistema, tais como o número de viagens realizadas e o de passageiros transportados.

No final de 2008, o Grande Recife Consórcio de Transporte deu início a uma nova fase na questão da bilhetagem eletrônica. É que, naquele ano, foi feito uma licitação, para a implantação de uma nova tecnologia. Tudo isso ficou a cargo da empresa Montreal, vencedora do processo licitatório. Para essa mudança do sistema, foi necessária a aquisição, pelas empresas operadoras, do novo equipamento usado nos coletivos (validadores), que obrigatoriamente possuem o aparelho de GPS. Atualmente, 100% da frota já circula com o novo equipamento na RMR.

A nova tecnologia deu início a mudanças em todos os equipamentos instalados nos 2.700 mil ônibus operando no sistema, assim como a reestruturação das empresas operadoras, que tiveram que capacitar seu corpo técnico para a nova fase começava. Futuramente, todos os novos validadores terão rastreadores (GPS), facilitando o trabalho dos agentes de fiscalização do Grande Recife, que poderão monitorar, em tempo real, os veículos da frota, fiscalizando os cumprimentos de viagens, horários e itinerários.

O primeiro passo para o novo modelo de bilhetagem funcionar foi o recadastramento de todos os usuários de cartões eletrônicos (Passe Fácil e Vale-transporte), utilizados no STPP/RMR. Com um novo Banco de dados, o Grande Recife Consórcio de Transporte deu início à entrega do novo cartão, o Vale Eletrônico Metropolitano (VEM). Ele, que utilizam a tecnologia contact less, dispensando a inserção no validador, é entregue gratuitamente (1ª via) à população, graças à redução considerável no custo do material, negociado pelo Grande Recife. Com a primeira via gratuita (que custava R$ 11,50), o preço da solicitação de um novo cartão (2ª via) sofrerá uma redução significativa.

Atualmente, cerca de 700 mil cartões eletrônicos estão em circulação. Desse total, aproximadamente 330 mil são utilizados pelos estudantes (Vale Eletrônico Metropolitano Estudante), e o restante pelos trabalhadores (Vale Eletrônico Metropolitano Trabalhador).

A contratação do novo modelo de bilhetagem representa um avanço inédito no setor. Diferentemente do que acontece em outras cidades (do Brasil e exterior), onde há soluções modernas utilizadas individualmente, o sistema que está sendo implantado na Região Metropolitana do Recife funcionará de forma integrada, agregando várias soluções tecnológicas para o sistema, tais como: mais agilidade no embarque e desembarque; segurança, visto que irá reduzir a quantidade de dinheiro nos coletivos; e conforto, com o carregamento embarcado.

O Grande Recife Consórcio de Transporte não esqueceu de ninguém. Se antes, somente estudantes e rodoviários utilizavam a tecnologia, hoje o acesso é ampliado. Também possuem seus respectivos cartões as pessoas com deficiência, os idosos, as crianças, menores de seis anos, e, como já foi dito, os trabalhadores. Até as pessoas físicas não ficaram de fora. O VEM Comum é ideal para quem deseja ter seu próprio cartão, semelhante aos utilizados na telefonia.

Desde o mês de março de 2009, os estudantes já estão desfrutando dos benefícios do VEM Estudante. Em julho, do mesmo ano, foi a vez do VEM Trabalhador chegar à mão dos usuários. Assim como os estudantes, os trabalhadores tiveram seus antigos cartões substituídos pela nova tecnologia. Os antigos Vale Transporte Eletrônico e os vales de papel já são coisas do passado.

Os usuários de até seis anos, que possuem direito a gratuidade no STPP/RMR, desde o dia 13 de outubro de 2009 já podem usufruir do novo sistema de bilhetagem. O Vale Eletrônico Metropolitano Infantil (VEM Infantil), iniciativa inédita no país já beneficia cerca de 20 mil pequenos usuários.