A EMTU/Recife é uma empresa pública de direito privado, criada pela Lei Estadual n° 7.832, de 06 de abril de 1979, com o objetivo de estruturar, gerenciar e fiscalizar um Sistema de Transporte metropolitano. Suas atividades começaram, efetivamente, em 1980, com uma equipe de apenas 80 funcionários.Os desafios eram grandes. Na época, existiam 157 linhas de ônibus, operadas por 66 empresas, que tinham uma frota de 1.281 coletivos. Eles funcionavam em regime de concorrência, não tinham restrições de circulação e a maioria operava apenas em horário de pico. A maior parte das linhas eram municipais, com algumas ligações intermunicipais. Gerenciadas isoladamente pela prefeitura e o Estado, muitas acabavam fazendo itinerários idênticos, enquanto locais de acesso mais difícil ficavam sem atendimento.

Com a instituição do Sistema de Transporte Público de Passageiros da Região Metropolitana do Recife – STPP/RMR, gerenciado pela EMTU, esse quadro começou a mudar significativamente. Foi definido um zoneamento da RMR e as empresas (algumas em consórcio) passaram a operar em áreas específicas, através de termo de permissão. Foram criadas novas linhas; implantados corredores e faixas exclusivas de ônibus, além de abrigos e paradas seletivas; estabelecidos anéis tarifários; instituído o Sistema de Informações Gerenciais de Transporte por ônibus; e estruturada uma equipe de fiscalização.

Os usuários começaram a participar do funcionamento do serviço em 1983, com a criação da Central de Informações e Reclamações, por meio da qual passaram a tirar suas dúvidas, dar sugestões e registrar suas críticas. Já entre os anos de 1985 e 86, uma avaliação do STPP indicou a necessidade de novos rumos. Foi quando se decidiu a implantação da Câmara de Compensação Tarifária (que permite um nível de serviço e rentabilidade uniformes) e se concebeu a idéia do Sistema Estrutural Integrado, o SEI, que começou a ser implantado em 1994 e continua em expansão.

Em 1999, a EMTU passou a gerenciar, também, a Engenharia de Trânsito dos municípios conveniados ao Governo do Estado.

No mesmo ano, o setor de transporte deu um passo definitivo em direção à modernização, iniciando a implantação do Sistema Automático de Bilhetagem Eletrônica – SABE. Logo em seguida, começou a oferecer um novo serviço com micros e mini-ônibus climatizados e em 2001 a frota passou a ser renovada em longa escala.

Em 2002, pessoas com deficiência física, mental e sensorial começaram a receber a Carteira de Livre Acesso, que lhes permite utilizar as linhas intermunicipais gratuitamente. Também iniciou-se a implantação do vale-transporte eletrônico.

Resumo Cronológico

De 1979 até 2006, alguns fatos merecem destaque na história da EMTU/Recife:

1980 – Planejamento da Gestão Metropolitana e implantação de corredores exclusivos;

1981 – Reorganização do Sistema, com a definição de áreas de atuação das empresas e zoneamento das linhas, regulamentação do STPP/RMR e implantação de um Sistema de Informações Gerenciais;

1983 – Implantação da Central de Informações/Reclamações, proporcionando o relacionamento direto da EMTU/Recife com os usuários, através do telefone;

1985/1986 – Programa de Reestruturação e Integração Modal do STPP/RMR, no qual foi definido uma nova Concepção Operacional e Tarifária para o Sistema (Sistema Estrutural Integrado – SEI) e a Concepção e Implantação da Câmara de Compensação Tarifária – CCT;

1988 – Início de pesquisa de opinião com os usuários, que possibilitou a Empresa aferir o grau de satisfação da população no que diz respeito aos serviços oferecidos;

1989 – Criação do Conselho Metropolitano de Transportes Urbanos – CMTU, que através de representantes da sociedade, passou a definir as diretrizes, condições e normas gerais relativas ao STPP/RMR;

1991 – Revisão do Regulamento e Manual de Operação do STPP/RMR, com a criação de Normas de Avaliação de Desempenho das Empresas Operadoras do STPP/RMR;

1996 – Operacionalização dos terninais integrados da PE-15 e Macaxeira, com linhas alimentadoras, troncais e perimetrais, e das estações metrô/ônibus de Joana Bezerra, Afogados e Barro, permitindo integrações intermodais e diversas alternativas de deslocamento para os usuários com o pagamento de uma única passagem, conforme concebido no SEI;

1998 – Operacionalização do SEI no Terminal Integrado de Jaboatão, Concepção da Bilhetagem Eletrônica e elaboração de Proposta para um novo Modelo de Regulamentação para o STPP/RMR;

1999 – A EMTU/Recife assume o gerenciamento do Trânsito em todos os municípios conveniados com o Governo do Estado de Pernambuco, inicio de operação de Bilhetagem Eletrônica para as rodoviárias (março de 1999) e reativação do convênio com a PMPE visando aumentar a segurança dos ônibus do Transporte Coletivo.

2000 – Operarionalização do terminal integrado de Igarassu e criação de um novo serviço com micro e miniônibus equipados com ar-condicionado e bilhetagem eletrônica para os estudantes (abril de 2000);

2000/2001 – Substituição da frota por veículos equipados com ar-condicionado, bancos acolchoados, vidros fumê.

2002 – Inicia um programa de recuperação de terminais integrados e mini-terminais;

– pessoas com deficiência física, mental e sensorial começaram a receber a Carteira de Livre Acesso, que lhes permite utilizar as linhas intermunicipais gratuitamente. Também iniciou-se a implantação do vale-transporte eletrônico.

2003 – foi marcado pela união do Estado e municípios da RMR para dar início a uma reestruturação do sistema de transporte metropolitano, partindo da regulamentação do Sistema de Transporte Complementar e fiscalização conjunta sobre as kombis, vans e similares clandestinas. A ação foi iniciada pela capital, com grande sucesso. Mais de 400 ônibus foram incorporados à frota e a população ganhou novas linhas e atendimentos.

2004 – A bilhetagem eletrônica avançou com a descentralização do carregamento do Passe Fácil e terceirização da venda e carregamento do vale-transporte eletrônico. O CMTU criou promoção de meia-tarifa aos domingos, beneficiando milhares de pessoas que tinham dificuldade de acesso ao lazer no final de semana.

2005 – O Terminal de Passageiros do Cais de Santa Rita foi construído, beneficiando mais de 65 mil usuários, que também passaram a contar com o Terminal Integrado do Recife, no Centro, que ampliou o SEI. A EMTU ainda reestruturou o Parque de Informática da empresa, com a aquisição de 198 novos computadores, impressoras e softwares.

2006 – O Terminal de Cavaleiro passou a fazer parte do SEI, garantindo mais conforto, segurança e economia a cerca de seis mil usuários por dia. Já a construção da primeira etapa do Terminal de Cajueiro Seco foi licitada. O ano também teve grande renovação de frota, com a aquisição de 442 ônibus novos.